A votação será neste domingo (3) e mais de um milhão de eleitores são esperados nas urnas. Quem vencer fica no comando do Palácio Araguaia até o fim do ano.

 

Os moradores do Tocantins vão escolher um novo governador neste domingo (3). Mais de um milhão de eleitores são esperados nas urnas para votar e escolher qual dos sete candidatos na disputa vai comandar o Palácio Araguaia até o fim do ano.

A segurança da eleição será feita por 1.290 policiais militares e também por equipes do Exército nas aldeias indígenas em cinco cidades. O número de soldados não foi informado pelo 22º Batalhão de Infantaria, responsável pela operação.

Os eleitores vão comparecer a 4.109 sessões eleitorais. 297 delas são adaptadas para a acessibilidade de pessoas com dificuldade de locomoção. O atendimento aos cidadãos será feito por 14,205 voluntários e por 873 funcionários do Tribunal Regional Eleitoral.

A eleição estava fora do planejamento do TRE para o ano e está sendo realizada após o ex-governador Marcelo Miranda (MDB) ser cassado por suspeita de uso de caixa 2 na campanha eleitoral dele em 2014. Ao todo, organizar o pleito fora de época custou aos cofres públicos aproximadamente R$ 15 milhões.

Uma das partes mais complexas da logística no Tocantins é a distribuição das urnas para a votação nas aldeias indígenas. O estado tem 4.275 eleitores indígenas cadastrados distribuídos em 25 seções eleitorais.

No domingo (3), as seções eleitorais fecham às 17h. Quem já estiver na fila neste horário vai receber senha e poder votar normalmente, mas quem chegar depois não vai pode mais entrar nos locais de votação.

O TRE trabalha com a meta de entregar o resultado em até cinco horas após o fechamento das urnas, mas nas últimas eleições os votos têm sido computados mais rapidamente graças ao sistema eletrônico usado pela Justiça Eleitoral.

Com informações G1 Tocantins