Ao todo, 11 militares dos Bombeiros deixaram as funções comissionadas. Governo informou que mais de mil servidores devem ser exonerados ou perder as funções até a próxima semana.

Mais servidores estaduais deixaram os cargos na administração pública do Tocantins. O governo publicou mais exonerações, dentre elas a do presidente da Agência Tocantinense de Saneamento, Rogério Bezerra Lopes. Os nomes estão no Diário Oficial desta quinta-feira (22).

Nesta quinta-feira, o governo já havia informado que mais de mil servidores devem ser exonerados ou perder as funções até a próxima semana. Nesse período, cargos comissionados e funções gratificadas devem deixar de existir. O secretário de administração do Tocantins, Edson Cabral, disse que as exonerações estão acontecendo com a ajuda das próprias secretarias e que a ideia é economizar.

Também foi publicada a exoneração do subsecretário Wlademir Costa Mota Oliveira e do delegado-geral de Polícia Civil Vinicius Mendes de Olivera da Secretaria de Segurança Pública do Tocantins. Os dois já tinham anunciado que deixariam a secretaria na última segunda-feira (19). Ao todo, oito servidores da cúpula da segurança entregaram os cargos em meio à crise instaurada pela exoneração de 12 delegados regionais dos cargos de chefia.

Entre os delegados que perderam os cargos de chefia foi Bruno Boaventura, responsável por coordenar investigações relacionadas ao descarte irregular de lixo hospitalar num galpão clandestino em Araguaína. Um dos investigados é João Olinto, ex-juiz eleitoral, advogado e pai do deputado estadual Olyntho Neto (PSDB), responsável pela empresa privada contrata pelo Estado para coletar o lixo de 13 hospitais públicos do estado e que teria feito o destacarte dos resíduos.

O governo também exonerou e dispensou das funções comissionadas servidores do Corpo de Bombeiros. São eles:

  1. André Carvalho de Araújo – Diretor de Logística e Patrimônio;
  2. Geraldo da Conceição Primo – Superintendente Estadual de Defesa Civil;
  3. Peterson Queiroz de Ornelas – Corregedor;
  4. Rita Setúbal de Souza – Gerente de Saúde e Assistência Social;
  5. Ronnaldo Costa Leite – Gerente de Fiscalização;
  6. Saara Arruda Sousa Pallone – Gerente de Apoio Técnico aos Municípios.
  7. Danúbio Kelly Bezerra Pereira – Comandante da Academia de Formação de Bombeiros;
  8. Donaldo Lourinho de Oliveira – Comandante de Companhia de Bombeiros Militar;
  9. Flávio Luís da Silva Alves – Coordenador Administrativo;
  10. Gilmar Martins Barros – Subcomandante de Companhia de Bombeiros Militar;
  11. Maie-Ulis Dias da Costa – Subcomandante de Companhia de Bombeiros Militar;

Segundo costa no diário, alguns servidores tinham sido exonerados no fim de outubro, mas a publicação só ocorreu nesta quinta-feira. A época das exonerações coincide com uma polêmica envolvendo denúncias de assédio moral e sexual dentro do Corpo de Bombeiros.

Os casos foram revelados depois que a Federação das Associações de Praças e Militares do Tocantins fez uma pesquisa para identificar as vítimas de assédio sexual e moral dentro do trabalho.

“Convites de conteúdo sexual é… até para participar de orgias e de relações com as próprias esposas. Né… é… sempre pessoas superiores e sempre com conteúdo bem tropes, com um linguajar bem chulo, bem baixo”, disse um bombeiro que não quis se identificar. Ele afirma que sofre assédio praticado por supeirores dentro da corporação há seis anos.

Com Informações G1 Tocantins